Intervalo da segunda dose da Pfizer contra Covid cai para 21 dias em SP

O governador João Doria (PSDB) antecipou o intervalo para a aplicação da segunda dose da vacina da Pfizer contra a Covid-19 para 21 dias. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (18).

O que diz a mídia

Doria diz que a medida vai beneficiar cerca de 2 milhões de pessoas com 18 anos ou mais e possibilitar que completem o esquema vacinal.

A nova estratégia definida pelo PEI (Plano Estadual de Imunização) poderá ser realizada a partir desta terça-feira (19) pelos 645 municípios. O governo informa ainda que serão disparados SMS e emails para reforçar as novas orientações à população.

Para adolescentes, a vacinação segue com intervalo de oito semanas e, de acordo com informações do estado de São Paulo, a antecipação para este público será adotada apenas mediante a disponibilização de mais doses da Pfizer pelo Ministério da Saúde.

O imunizante da Pfizer é o único liberado até agora para a vacinação de adolescentes, população-alvo para receber a primeira dose neste momento no estado.

De acordo com informações do governo, já foram aplicadas mais de 68,4 milhões de doses de vacinas em São Paulo, o que representa 63,98% da população total do estado com o esquema vacinal completo —em relação à população adulta são 83,36% com as duas doses ou dose única.

Esta é a segunda vez que o estado reduz o intervalo entre as vacinas da Pfizer. No início, o tempo de espera entre a primeira e a segunda dose era de 12 semanas. No final de setembro, porém, o governo antecipou a aplicação da segunda dose para oito semanas.No manhã de domingo (17), o Brasil recebeu mais 1,3 milhão de doses da Pfizer.

Segundo o Ministério da Saúde, das mais de 310,4 milhões de doses distribuídas no país, 94,2 milhões são da Pfizer. A vacina foi a mais distribuída em agosto e setembro.

Ao todo, foram distribuídas 60 milhões de doses da Pfizer —o imunizante representou 51% das doses durante este período. Durante os dois meses, foram distribuídas 22 milhões de doses da Fiocruz/AstraZeneca, 36 milhões do Instituto Butantan/Sinovac e 100 mil da Janssen.

O anúncio do governo do estado de São Paulo vem três dias depois de o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, ter anunciado a redução do intervalo de doses da vacina da AstraZeneca de 12 para oito semanas. A medida busca atingir, principalmente, a população entre 18 e 30 anos.

Em setembro, a falta de doses da vacina produzida pela Fiocruz fez com que prefeituras adotassem a intercambialidade da segunda dose da vacina contra a Covid-19, o que gerou críticas por parte de Queiroga. Para ele, houve falta de critérios das secretarias de Saúde.

O Brasil registrou a aplicação de 620.294 doses de vacinas contra Covid-19 no domingo. De acordo com dados das secretarias estaduais de Saúde, foram 122.631 primeiras doses e 337.967 segundas. Também foram registradas 9.215 doses únicas e 150.481 doses de reforço.

Cerca de 71% da população brasileira recebeu a 1ª dose da vacina e 48,92% está com o esquema vacinal completo. Considerando somente a população adulta, os valores são, respectivamente, de 93,47% e 64,38%. O país já registrou 603.521 mortes e 21.651.444 casos registrados de Covid-19 desde o início da pandemia.

Fonte:Folha de S.Paulo