UTIs de Covid registram baixa procura em quase todo o país

Apenas seis estados e DF estão com mais de 30% dos leitos para casos da doença ocupados, aponta levantamento da Folha.

O que diz a mídia

Apenas seis estados e DF estão com mais de 30% dos leitos para casos da doença ocupados, aponta levantamento da Folha.

Recife, São Paulo, Rio De Janeiro, Salvador, Conselheiro Lafaiete (mg), Porto Alegre Brasília Os Leitos De Uti (unidade de terapia intensiva) antes exclusivos paratratarcasoscríticosdeCovid-19 estão sendo gradativamente reduzidos no país com a queda nas internações.

Só seis estados —Goiás, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia e Santa Catarina— e o Distrito Federal têm mais de 30% de suas UTIs ocupadas com pacientes com a doença, segundo levantamento da Folha com base em dados desta segunda-feira (11).

Logo após o feriado de Carnaval, o cenário no início de março já era de redução gradativa. Na ocasião, apenas Sergipe e Espírito Santo tinham percentuais acima de 60%.

O quadro é bem diferente de meses anteriores, quando havia lotação de UTIs em várias partes do Brasil. Em janeiro, por exemplo, oito estados e o DF apresentavam taxas de 80% de ocupação em seus leitos exclusivos para casos da Covid.

O estado de São Paulo apresentou manutenção das taxas de ocupação nas últimas duas semanas, sem grande mudança. Mas a média móvel de leitos disponíveis caiu cerca de 14% no período. Desde 7 de março, houve queda de 40% nos leitos oferecidos e de 18 pontos percentuais no nível de ocupação.

Situação parecida vive a capital paulista. Com pouca variação de ocupação de UTI desde o início do mês, a média móvel de leitos disponíveis diminuiuquase10%nesseespaçode tempo. Desde 7 de março, caiu mais de 50% o número de leitos disponibilizados e oito pontos percentuais a ocupação.

O Distrito Federal tinha 35% dos leitos ocupados nesta segunda. No total, há 17 leitos específicos para adultos com Covid, e 6 estão ocupados.

No Rio de Janeiro, a taxa de ocupação dos leitos para Covid está em 21%. Hoje, o estado conta com 736 leitos de UTI.

No Espírito Santo, a queda nos casos de Covid fez com que o sistema de saúde do estado reduzisse em mais da metade o número de leitos desde março, passando de 333 para 107 leitos no período. A ocupação caiu de 62% para 27%.

Em Pernambuco, o percentual de internados foi de 52% para 54%, mas o número absoluto caiu, já que o número de leitos disponíveis para a doença diminuiu de 1.071 para 789.

Entre os estados nordestinos, o Piauí registrou a maior taxadeocupaçãodeleitos:nesta segunda, o estado tinha 61% de ocupação nos seus 180 leitos de UTI para a Covid.

No último levantamento, em 7 de março, o Piauí tinha 145 leitos, com taxa de ocupação de 48% para tratamento de casos graves da doença.

Na Bahia, a ocupação dos leitos de UTI dedicados é de 15%, ante 31% no começo de março.

No Ceará, a ocupação caiu de 36% para 27%, com desativação de 169 leitos para 107 .

No Rio Grande do Norte, apenas 10% dos 80 leitos de UTICovid estão preenchidos. Em Natal, são 4 dos 9 leitos.

No Rio Grande do Sul, embora a ocupação tenha aumentado (o estado não contabiliza leitos exclusivos para a Covid-19), o número de pacientes, que no mês de março era de 391, caiu a 168.

Em Santa Catarina e no Paraná, tanto o número de leitos reservados à Covid quanto a ocupação caíram. Em março, Santa Catarina tinha 47% dos seus 385 leitos Covid ocupados, hoje são 34% de 95 leitos. No Paraná, a ocupação caiu de 43% a 25% e o número de leitos, de 709 para 491.

Em Goiás, a ocupação é de 48% nos 67 leitos UTI-Covid. Em março, eram 194 leitos.

A queda também é observada na capital Goiânia, onde 10% dos 65 leitos encontramse ocupados. Em Mato Grosso do Sul, a ocupação está em 12%, ante 44% em março.

O estado do Amazonas tem ocupação de 20%. Em Rondônia, a taxa ficou em 37%.

Fonte: Folha de S.Paulo